A FALSIDADE DAS REDES SOCIAIS


Um dia, eu estava passando pelo feed do instagram, quando parei no perfil de uma blogueira que eu costumava gostar muito. Mas nesse dia, eu me vi xingando essa menina na minha mente, eu estava com raiva dela. Foi quando eu parei, observei meus pensamentos e me perguntei: Sarah porque você está com raiva dessa garota que você não conhece e nunca fez nada contra você? Inveja. Eu estava com raiva dessa menina, porque na minha concepção ela tinha a vida perfeita e aí essa inveja começou a crescer em mim, até virar uma raiva dela e uma grande insatisfação com a minha própria vida. Eu pensava: tô aqui torrando minha cabeça andando no sol da Rural, catando as moedinhas pra tomar um açaí, e essa menina, tinha tudo que eu queria, já era rica e ainda ganhava tudo de graça, como ela era feliz e como eu queria ter essa felicidade.

Foi então que eu comecei a pensar, cara, o que é felicidade? É ter? O que me fez chegar nesse ponto de ser tão ingrata com a minha vida e achar que aquela blogueira era aparentemente mais feliz do que eu por coisas que ela tinha? Eu sempre fui ensinada que felicidade não era ter, a ser grata pelo que tinha e estava me comportando de maneira totalmente contrária dos bons valores que me foram ensinados e me ajudavam a manter minha mente saudável.

Cara, as redes sociais estavam me fazendo mal, sem dúvida, elas estavam abalando meu equilíbrio emocional, assim, afetando a minha saúde mental. Foi nesse momento que eu percebi que precisava respirar, olhar para o teto e refletir sobre tudo isso. Então, parei de seguir todas essas blogueiras, e comecei a ter reuniões comigo mesma para recuperar meu equilíbrio, minha saúde, minha felicidade.
E aí, eu me liguei numa coisa que eu havia esquecido: ninguém é feliz em 100% do tempo. Todos nós temos dois lados, às vezes até três, quatro. Mas, nas redes sociais nós mostramos apenas um lado: o melhor. Ou, mostramos uma felicidade que não existe né? Minhas fotos e meu feed do instagram não mostram tudo sobre mim, só olhando minhas redes sociais as pessoas não vão saber se eu realmente sou feliz, ou não. Uma foto, muitas vezes não representa minha real imagem. Atrás de uma foto, de uma publicação nas redes sociais existe uma história que só a pessoa que está fazendo a publicação conhece. Na internet todo mundo faz recortes da vida, geralmente, escolhemos a melhor parte – alguns, criam uma realidade alternativa nas redes sociais. Ir no perfil de alguém e analisar a vida da pessoa pelo que ela publica, e ficar com pensamentos como: “queria ter essa vida”, “fulano tem a vida perfeita”, “olha como ela é feliz”, é doentio. Doentio para mim mesma, é colocar o pé numa ansiedade de querer ter algo que não posso, me fazendo ficar insatisfeita com o que tenho.

Eu não culpo as pessoas que publicam suas “vidas perfeitas” na internet, não vejo nada de errado em mostrar os pedaços de felicidade da sua vida online. O problema, é quem está do outro lado, que assim como eu fazia, se enche de comparações, acreditam em tudo que veem e se sentem infelizes. Por isso, quando se está na internet é tão importante ter um filtro. Porque, se a minha vida tem muito mais do que aquilo que eu posto nas minhas redes sociais, a das “pessoas com a vida perfeita” também. E convenhamos, ninguém tem a vida perfeita né?

Depois de ter estudado bastante sobre redes sociais e de muitas reuniões comigo mesma, eu criei o meu filtro. Hoje, eu sigo essas meninas e não sinto nenhum pingo de inveja, aprendi que por uma foto que a pessoa publica nas redes sociais não devo achar que sei como é a vida dela ou quem ela é. Agora, estou presente na minha vida real e na virtual, eu encontrei meu equilíbrio e um jeito saudável de utilizar as redes sociais.

Quero que saibam que não estou querendo criar um movimento contra as redes sociais aqui, muito pelo contrário, quero a rede social real. Onde todos saibam utilizar as redes de forma equilibrada sem afetar sua saúde. Porque, se elas incitam em você sentimentos negativos, pode acreditar, você não está usando elas da maneira correta. Talvez, você precise de um detox digital, ou precise sim deixar as redes sociais (se for um caso muito grave), assim como fez uma blogueira australiana em 2015.

Como o texto ficou muito grande, vou postar a segunda parte depois. Mas diz aí nos comentários o que você acha desse assunto! Beijos <3
Tecnologia do Blogger.